Esqueci minha senha!
Criar meu cadastro
Revista FIEL


Aumentar a Fonte   Diminuir a Fonte
02.06.2011
Protesto reúne 50 mil pessoas em Brasília
Cerca de 50 mil pessoas se reuniram em frente ao Congresso Nacional, em Brasília, para protestar contra o PLC 122, projeto de lei que criminaliza qualquer ação, opinião ou crítica que venha a ser interpretada como discriminação ou preconceito quanto ao homossexualismo no Brasil. Essa manifestação pacífica, organizada pelo pastor Silas Malafaia, culminou com a entrega ao presidente do Senado, José Sarney, de mais de 1 milhão de assinaturas de repúdio ao projeto.

GALERIA DE FOTOS

Evangélicos, católicos e parlamentares se uniram nessa luta a favor da família e da liberdade de expressão. Afinal, a ementa prevê, dentre tantos outros pontos críticos, que, se um pastor, um padre ou um diretor de escola, por questões de princípios éticos, morais e institucionais, não quiser que haja manifestações de afetividade no pátio da igreja ou da escola, poderá ser processado e ir para a cadeia.

Além disso, apresenta como crime, no artigo 16, parágrafo 5ª, a prática de qualquer tipo de ação violenta, constrangedora, intimidatória ou vexatória, de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica. “Aqui está o ápice do absurdo: o que é uma ação constrangedora, intimidatória, de ordem moral, ética, filosófica e psicológica? Com esse parágrafo 5º, a Bíblia pode virar um livro rotulado como “homofóbico”, pois qualquer homossexual poderá alegar que se sente constrangido ou intimidado pelos textos da Bíblia que condenam a prática homossexual”, explicou o pastor Silas.

Caravanas de diversas cidades brasileiras participaram dessa "marcha da família", como a própria imprensa denominou o protesto pacífico. Ao receber as 1.053.293 assinaturas contra o projeto, José Sarney, ponderou: “Com certeza levaremos em consideração essa manifestação expressiva”.

ENCONTRO DE LÍDERES E PARLAMENTARES EVANGÉLICOS

Na parte da manhã do dia 1º de junho, o Plenário Petrônio Portela, do Senado Federal, sediou o Encontro Nacional de Líderes e Parlamentares Evangélicos do Brasil. Na ocasião, diversos deputados, senadores e líderes religiosos discutiram sobre o PLC 122.

Desde que o projeto foi desarquivado pela senadora Marta Suplicy, evangélicos e católicos têm se manifestado contra o PLC 122, visto que este proibe a liberdade de expressão e religiosa. Por causa disso, muitos tem caracterizado essa reação como homofobia. Mas, durante o encontro de ontem, os parlamentares esclareceram mais uma vez para a imprensa que não se trata de homofobia nem discriminação, e sim de direito à crítica e opinião. "Não somos preconceituosos e intolerantes. Sabemos viver com as diferenças. Tanto que o povo brasileiro é constituído por diversas etnias. O fato é que não concordamos com o comportamento de alguns, mas amamos todos", explicou o presidente da Frente Parlamentar Evangélica, João Campos.

Já o senador Magno Malta, um dos principais ativistas contra o PL 122, ressaltou que o respeito é devido, independente da opção sexual. "O homossexual é um cidadão; trabalha, paga seus impostos, tem seus direitos. Precisamos respeitá-los. Mas não podemos aceitar leis que venham cercear a família brasileira. Estamos aqui para cumprir nosso papel. E o nosso papel é ser a favor da família brasileira."

Para encerrar o evento, o pastor Silas Malafaia falou sobre a repercussão desse movimento a favor da família e da liberdade de expressão. "O que está acontecendo não é meu trabalho, mas do povo de Deus, que compreendeu que não vivemos isolados nessa terra e despertou-se para o exercício da cidadania. Isso significa que não teremos unanimidade, mas divergências."


Internautas online 14