/noticia/485/por-que-a-sua-doacao-e-tao-importante-para-o-cora-

Notícias

  • Home
  • Notícias
  • Por que a sua doação é tão importante para o CORA?

Por que a sua doação é tão importante para o CORA?

Michele Senra, do Centro de Otimização para a Reabilitação do Autista, compartilha sobre as dificuldades das famílias de crianças com autismo e o quanto precisam de ajuda

11/02/2022 Por que a sua doação é tão importante para o CORA?

Pensar de forma isolada no tratamento de uma criança ou adolescente com Transtorno do Espectro Autista é reduzir demais a complexidade do TEA. Michele Senra, idealizadora do CORA (Centro de Otimização para a Reabilitação do Autista), conta que existe um sonho guardado na gaveta, um planejamento que envolve ao autista e sua família.

A família do autista
Apesar de tanta informação disponível na internet e de termos uma divulgação mais intensa sobre pessoas com espectro autista, é comum famílias enfrentarem dificuldades de aceitação de seus filhos com TEA. Lidar com olhares impacientes quando está em espaços públicos só contribui para que pais e mães evitem passeios e lazer com uma criança ou adolescente autista.

O próprio CORA teve início em 2011 porque Michele, mãe de Breno Willians, criança com autismo, sentiu a necessidade de divulgar e esclarecer dúvidas frequentes sobre o assunto. A iniciativa tomou um rumo diferente quando ela percebeu que outros pais enfrentavam problemas para conseguir escola e tratamento adequados para os filhos.

Nas palestras que fazíamos para dar informações sobre o autismo, outros pais reclamavam da difícil tarefa de conseguir uma escola que tivesse uma mediadora preparada para lidar com seus filhos autistas. Além disso, a consulta com os terapeutas e outros profissionais estava muito cara”, recorda Michele, que decidiu estudar e se especializar como terapeuta para cuidar do filho. Hoje ela é musicoterapeuta do CORA.

A família dos autistas começa a enfrentar desafios quando parte em busca de um diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista. A insegurança, a angústia e o medo do resultado; além do choque de lidar com um resultado positivo. É comum que o pai abandone o lar e a mãe seja a única responsável pela criança autista (raramente os papéis são invertidos).

Estudos recentes comprovam que o estresse de um cuidador [de pessoa que precisa de cuidados especiais] é semelhante ao estresse pós-traumático de alguém com vivência em uma guerra. Muitos casais se separam, muitas mães sustentam ou cuidam sozinhas dos filhos e, às vezes, contam com o apoio dos avós. Porém, isso gera uma preocupação porque nem sempre os avós têm vigor e saúde para conter um autista quando ele demanda determinado nível de suporte”, explica Michele Senra.

Como podemos ajudar
A doação constante de cada Parceiro Ministerial é fundamental para que a Associação Vitória em Cristo possa dar o suporte necessário para a realização do sonho de alcançar o autista e a sua família. A meta do CORA é expandir o projeto com mais opções de atividades que possibilitem a autonomia de indivíduos com TEA e fazer um trabalho de acolhimento aos pais ou responsáveis por sua criação.

Os objetivos dos projetos sociais não são apenas metas a serem conquistados, mas uma ação de amor em favor daqueles que mais precisam. Seja um cooperador para mudarmos a vida dessas pessoas.

CLIQUE AQUI PARA DOAR
 

Copyright © Associação Vitória em Cristo 1982 - 2022. Todos os direitos reservados

AGUARDE